LEI DE MURPHY

Leitura em voz alta automática:

LEI DE MURPHY

É desastroso o desempenho que consigo hoje em descobrir os neurônios que encabeçam os meus posts. Já usei todo o meu banco e nada deles aparecerem. Esses tiranos parecem estar escondidos entre muralhas. Já tentei de tudo, só levei bolas nas costas. Mas uma hora, eles aparecem. O segredo é comer só pelas bordas.

Cansei. Resolvi trocar de tática. Agora, não gasto mais as minhas escassas fichas em tentativas fracas para derrubar essas muralhas. Ao invés disso, invisto em achar pequenos buracos nessas muralhas que me permitam descobrir pequenas fraquezas e apenas cutucá-las. Depois de cada cutuco, rapidamente eu tiro o time de campo e troco de contexto. Uma hora, essa muralha dos demônios cai e com o pé que estiver mais a mão, eu “pimba!”.

É sempre a consciência que comanda as ações. Porém, a inconsciência é muito maior, mais paciente e disciplinada. Basta que um pequeno grupo de neurônios inconscientes contraventores dominem a consciência para que a consciência faça a manada inconsciente estourar. Se isso acontecer, eu desenvolvo sete cabeças e viro monstro.

Nunca duvida da capacidade desses neurônios sem consciência. Mesmo que eles pareçam muito mais fracos, são muito mais numerosos e disciplinados. O exército dos neurônios inconscientes é munido de armas muito mais pesadas que as do exército consciente. De acordo com a Lei de Murphy, se eles quiserem dominar a consciência, vão conseguir.

Há alguns anos atrás, eu achava que os neurônios inconscientes eram apenas maioria simples, tipo 60%. Hoje, acho que essa maioria é próxima da totalidade. Algo parecido com a relação entre o tamanho do núcleo atômico e o do restante do átomo.

Para continuarem fiéis aos comandos da consciência, os neurônios da inconsciência precisam ser alimentados, exercitados permanentemente e descontraídos quando necessário.

Mas, necessidade não é a mesma coisa que vontade. Fazer o necessário é a mesma coisa que fazer o que tem que ser feito sem cometer injustiças nem desperdiçar forças. Fazer só o que se tem vontade é a mesma coisa que se aliviar mesmo cometendo injustiças ou desperdiçando forças.

Eu nunca começo um post pelo início nem pelo fim. É sempre pelo meio. Os neurônios que encabeçam os meus posts são bem mais criativos e precisos, mas muito mais impacientes, semelhante a armas leves. Já, os do meio não criam nada, mas são muito mais numerosos e disciplinados, semelhante a armas pesadas.

Paulo Ricardo Silveira Trainini

Apresentação abaixo também disponível no menu principal em EXTRAS 2 -> GUERRA ESPIRITUAL

Quão útil este post foi pra ti?

Clica na estrela para classificar!

No votes so far! Be the first to rate this post.

We are sorry that this post was not useful for you!

Let us improve this post!