OVO

Leitura em voz alta automática:

OVO

A consciência é a imaginação quem cria. Se ela concluir que algo é impossível e gravar no inconsciente essa impossibilidade, essa impossibilidade não mais poderá ser apagada, tipo uma informação no hardware de um computador. Dependendo do tipo do hardware, a única maneira de retirar essa memória é trocar a placa mãe. Mas não sei como isso funciona no cérebro.

Ainda que possa se manter latente, essa memória sempre poderá invadir a consciência caso seja acionada. Essa invasão inevitável é semelhante a uma interrupção de hardware em computador. Pelo que li no livro A Arte de Esquecer de Ivan Izquierdo, isso é semelhante ao fenômeno chamado de imprinting do cérebro dos patos.

Certa vez, Galileu Galilei, famoso em sua cidade natal – Florença, Itália – por suas experiências destrambelhadas, largou um ovo de cima da torre de pizza. Ao cair e se estatelar no chão, ele se perguntou “Por que o ovo caiu? ”. Uma senhora que estava passando, olhou pra ele e disse “Simples, porque você o largou! ”. Ao voltar para o seu laboratório, enunciou a lei da queda dos corpos.

No início dessa minha sei lá o quê espiritual, eu desenhava a ideia foco na parte superior de um papel e esperava a imaginação me dar outra ideia. Escrevia as outras ideias no mesmo papel. Depois, tirava esse papel da vista e trocava de contexto. Depois dessa troca, eu facilmente esquecia (tirava da consciência e registrava no inconsciente a localização do papel). Algumas horas depois, eu pegava o papel, refinava e publicava algo.

Depois de algum tempo, ficou mais difícil esquecer as ideias, mas eu só refinava depois de esquecer completamente, para dar liberdade ao inconsciente de tornar possível coisas que a consciência achava impossível. Para conseguir esquecê-las, eu fui aumentando os desafios. Mas teve uma hora que o meu cérebro me disse “Pááááára, senão eu enlouqueço! ”. Quando o teu cérebro disser isso, pára de imaginar qualquer coisa e só age para reduzir o foco do próximo contexto, mais nada.

Se o teu cérebro disser isso só quando algo do corpo pifar, não tenta consertar a coisa pifada com outras ideias. Só remenda da maneira mais simples possível e corre para reduzir o foco do próximo contexto. Apenas registra essas ideias em algum lugar sem deixar a imaginação mexer os dedos das mãos e dizer “sim, sim, salabin” no presente.

Isso me fez produzir ideias mais fortes, mas comecei a demorar mais para publicar coisas novas. A medida que essa demora aumentou, as sensações passaram a ser apenas manifestações estranhas dos meus músculos, não mais do coração. Agora essas manifestações musculares pararam e apenas uns pontos em movimento aparecem de vez em quando e na hora do relaxamento. Apesar de ser totalmente destrambelhado, o movimento desses pontos segue um padrão.

————————————————————————–
Paulo Ricardo Silveira Trainini

4 ideias sobre “OVO

  1. I think this internet site has got some real good information for everyone :D. “Time–our youth–it never really goes, does it It is all held in our minds.” by Helen Hoover Santmyer.

  2. Hi! Someone in my Facebook group shared this site with us so I came to take a look. I’m definitely loving the information. I’m bookmarking and will be tweeting this to my followers! Excellent blog and amazing design.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *