ÚLTIMO HOUND

“Ser criativo não é ser livre, é livrar-se”

(Rubem Penz)

Leitura em voz alta automática:

ÚLTIMO HOUND

Quando eu esbarro com um problema gigante, eu precisarei rachá-lo em várias partes, enfrentar cada parte em contextos diferentes e depois concatenar os ganhos. Esse concatenamento não é exatamente uma soma, mas um aproveitamento parcial dos ganhos. É assim que eu aplico a tática da Divisão e Conquista em meus contextos.

Imaginas que esses contextos são árvores. Na repetição seguinte, eu repito somente as atividades dos galhos mais altos e os demais eu mudo algumas coisas, de acordo com a roda da potência neurológica. Aí, eu descubro otimizações que me dão outros ganhos, que crescem numa progressão maior que a direta. Se é logarítmica ou exponencial ou sei lá. Mas, uma coisa é certa: é maior que a direta, mutável e imprevisível. Isso lembra a mecânica quântica.

Quando as otimizações chegam a um limite, a única maneira de melhorar é criar algo diferente. Criar algo diferente não mostra um erro, pois ele não existe. Mas sim, abre uma porta escondida para criar algo novo que melhore.

Se a lâmpada que ilumina a criatividade tiver a cor amarela, ela só ascenderá se forem misturadas as cores vermelho e verde. Fundamental: esquecer a cor amarela durante essa mistura. Esse esquecimento lembra a mecânica quântica.

Imaginas que cada contexto é de uma cor. Quem se libertar de todos os problemas através de muito poder aquisitivo ou algum outro tipo de suporte pessoal similar, conseguirá ascender uma lâmpada de uma única cor só. Ou seja, paradoxalmente, o processo criativo só dispara quando as otimizações racionalmente exploradas esgotam. Aí, a criatividade entra em ação, desafiando esses limites.

Eu interpretei o que o Rubem disse como “ser livre” é libertar-se de todos os problemas, entre eles, o de criar algo novo. E “livrar-se” é reaproveitar alguns ganhos parciais terminados satisfatoriamente, permitindo, assim, que sejam repetidos e resultarem em criatividade. Por isso que eu só troco de contexto só depois de finalizar satisfatoriamente alguns, não todos, problemas abraçados.

E satisfatoriamente não é necessariamente vencer, mas enfrentar até o final, não fugir antes. Esse enfrentamento pode ser uma vitória ou não, mas o enfrentamento tem uma forte preparação para ir até o último hound.

Quanto mais particionado for o problema, mais eu aplico a máxima “o que não tem solução, solucionado está”. Na prática, isso é mandar para o inconsciente o que não tem solução e encarar como solucionado o que não tiver solução imediata.

Isso diminui o medo e aumenta a transgressão criativa. Mas diminui a participação da razão. Então, esse particionamento precisa ser intercalado: ora maior ora menor, na medida certa.

Quando o cérebro quer algo e não recebe, ele aumenta a sensação de medo. Esse é o problema maior do apego. Como ele faz isso? Não sei…

Paulo Ricardo Silveira Trainini

 

Rock Balboa, música tema do filme:

 

 

21 ideias sobre “ÚLTIMO HOUND

  1. Leitura em voz alta automática: http://sustonosneuronios.org/wp-content/uploads/2018/01/ÚLTIMO-HOUND-COMENTÁRIO-1.mp3

    “Ser criativo não é ser livre, é livrar-se”

    (Rubem Penz)

    COMO UM RELÓGIO

    —————————————————————————————-

    LIVRAR-SE:

    Em banco de dados tem uma operação comum chamada CHECKPOINT. Ela se constitui no término e salvamento em disco ou em algum outro tipo de memória não-volátil (resistente à queda de luz).

    Depois de executar essa operação, o sistema fica tranquilo para investir em operações mais arriscadas com mais segurança. Pois, se algo der errado, como cair a luz, será só restaurar o que foi salvo no último checkpoint e seguir desse ponto de maneira íntegra.

    Essa operação possui uma equivalência quase exata com “livrar-se”. E, pela minha vivência, a memória do cérebro funciona igual.
    É essa tranquilidade que dá uma folga pra segurança e libera o sistema para transgreções criativas.

    SER LIVRE:

    Aumentar memória no computador – por exemplo, espetar uma placa extra – dá uma folga para o sistema que pode se espalhar mais e investir mais em transgreções criativas.

    Porém, esse aumento de memória tem um limite tecnológico. Quando chega nesse limite, SPLACH…

    ——————————

    Ou seja, o canal é livrar-se ao invés de ser livre. Quando se sentires sob pressão, relaxa. Apenas faz o que tem que ser feito e espera (checkpoint), foca só no presente e espera o que virá, mas não pára.

    ANGELS OF DESTRUCTION – PHAXE
    https://www.youtube.com/watch?v=CYjzAqlVtIo

    ————————————————————————–
    Paulo Ricardo Silveira Trainini

  2. Thanks for the ideas you have shared here. Something important I would like to say is that laptop memory requirements generally increase along with other breakthroughs in the technologies. For instance, any time new generations of processors are brought to the market, there is certainly usually a related increase in the size and style calls for of both laptop or computer memory and also hard drive room. This is because software program operated simply by these processor chips will inevitably boost in power to leverage the new technology.
    love bracelets cartier faux http://www.supercawatch.cn/fr/cartier-love-white-gold-diamond-bracelet-replica-with-screw-driver-b6035816-p660/

  3. CarlMc Hey Carl, thanks for the story and the kind words about the article, I’m glad you enjoyed it. I completely agree that “unfamiliarity is evil” in the context you’re using it. I also like the game you proposed about having to access a specific tool or piece of equipment, based on a scenario. That would certainly cause some panic and possible reevaluation of packing techniques. Especially if it was at night or under real panic.
    cartier like love bracelet replica http://www.carbvl.net/category/fake-cartier-jewelry

  4. I am reallу impressed ԝith your writing skills ass ԝell ɑs witһ the layout on your blog.
    Iѕ thiѕ а paid heme or did yⲟu customize іt yߋurself?
    Anyhway keep up the nice quality writing, іt’s rare tо
    ssee a nice blog liҝе this one nowadays.

  5. Unquestionably consider that that you said. Your favorite reason appeared to be
    on the net the simplest factor to take note of. I say to you, I certainly get annoyed even as other people
    think about worries that they just do not realize about.
    You controlled to hit the nail upon the top as neatly as
    outlined out the whole thing with no need side effect ,
    other people could take a signal. Will probably be again to
    get more. Thank you

  6. You could definitely see your enthusiasm within the paintings you write. The sector hopes for even more passionate writers such as you who aren’t afraid to say how they believe. At all times go after your heart.

  7. I’m not that much of a online reader to be honest
    but your sites really nice, keep it up! I’ll go ahead and
    bookmark your website to come back down the road.
    Many thanks

  8. Aw, this was an extremely good post. Spending some time and actual effort to make a really good article… but what can I say… I hesitate a whole lot and never seem to get
    anything done.

  9. Aw, this was a very good post. Taking the time and actual effort
    to create a really good article… but what can I say… I put things off a lot and never manage to get nearly anything done.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *